05/08/2021

5 coisas sobre Educação Financeira com o Primo Pobre

 

Oi pessoal, chegamos com uma novidade incrível e com um convidado muito especial: o Primo Pobre! Sabe quando você tem dúvidas sobre um assunto relacionado a finanças e corre no Youtube para se informar sobre?

Pois é, agora você vai poder acompanhar um pouquinho mais de perto algumas das pessoas que ensinam sobre educação financeira através das redes sociais!

O 5 coisas sobre é uma nova categoria aqui no nosso blog, onde trazemos entrevistas com influenciadores financeiros que falam a sua língua. Assim, você tem a oportunidade de aprender com as experiências compartilhadas e ainda recebe dicas preciosas que vão ajudar (e muito) suas finanças!

Está na hora de começar, nosso primeiro convidado chegou com verdades sinceronas. Vem com a gente conferir 5 coisas sobre Educação Financeira com o Primo Pobre!  

Quem é o Primo Pobre?

Eduardo Feldberg é administrador e comanda o canal Primo Pobre, seu conteúdo é voltado a dicas financeiras. Sem enrolação e com exemplos reais, o paulistano Eduardo compartilha seus conhecimentos sobre finanças com os mais de 450 mil inscritos.

Muito bom humor e sinceridade também estão presentes nos vídeos e postagens do Instagram do youtuber. Se você ainda não o conhece, pode vê-lo em ação no vídeo a seguir! Eduardo é capaz de transformar até mesmo os assuntos mais complicados em fáceis de entender:

5 coisas sobre Educação Financeira com Primo Pobre

Nós conversamos com o Eduardo para saber 5 coisas sobre Educação Financeira segundo a experiências e aprendizados que ele teve. Com um papo reto e dicas valiosas, o youtuber  dividiu com a gente exemplos e lições. Confira a seguir:

1. Uma verdade sobre Educação Financeira

Eduardo: Algo que tento sempre divulgar no meu canal é que educação financeira é algo para todos, ou seja, não se limita às pessoas que fazem faculdade de ciências contábeis, especialização em investimentos na FGV ou que têm uma imensa bagagem na área de finanças.

Educação financeira é algo que pode ser simplificado e aplicado por toda e qualquer pessoa. Quando encontro alguém que não sabe lidar com dinheiro e deseja mudar de vida, dou apenas três conselhos:

  • 1. Não compre nada se não tiver todo o dinheiro pra pagar;
  • 2. Não gaste mais do que você ganha;
  • 3. Todo mês precisa sobrar algum valor para você juntar.

Quem seguir esses três passos terá uma vida mil vezes melhor que a maioria dos brasileiros, mesmo sem nunca ter estudado ou se aprofundado em assuntos financeiros.

2. Uma mentira sobre Educação Financeira

E: Exatamente o oposto do que disse acima. Eu rejeito a ideia de que para saber lidar com dinheiro você precisa estudar muito, se aprofundar muito, tornar-se um “expert” em cursos sobre finanças. Digo isso com base em minha própria experiência.

Durante dez anos da minha vida, ganhei menos de R$3.000,00 por mês, mas mesmo assim, graças a Deus e a muito trabalho e disciplina, acumulei um patrimônio sólido, tenho um apartamento quitado, um carro quitado, eu e minha esposa não temos nenhuma dívida e tudo isso sem nunca ter estudado um livro sequer sobre finanças.

Com isso, não quero desestimular as pessoas de estudarem, mas afastar a ideia de que precisamos ser “especialistas em finanças” para sabermos lidar com o dinheiro. Às vezes, dou algumas entrevistas, faço gravações e as pessoas me apresentam como um “especialista em finanças”.

Não gosto desse título, primeiro porque não me sinto um especialista em finanças (ainda) e segundo porque esse tipo de título faz parecer que educação financeira é para poucos, quando, na verdade, é para todos nós.

Prefiro ser visto como um cara comum que aprendeu a lidar com o dinheiro com os acertos e erros da vida. Agora, com os estudos que estou fazendo, tenho aprendido a investir e estou melhorando ainda mais meus resultados.

Seu CPF está limpo? | QuiteJá

3. Um conceito sobre finanças que você ainda precisa se policiar para colocar em prática

E: Algo que preciso melhorar é a questão de querer economizar demais sempre. Muitas vezes tento economizar tanto que, como dizem, “o barato acaba saindo caro”. Esses dias, por exemplo, tive que trocar o óleo do meu carro.

Fui na loja, vi todas as marcas de óleo disponíveis e fui analisando diretamente os preços de cada produto (em vez de me preocupar com a marca e a qualidade do óleo). Escolhi o óleo mais barato que havia ali para economizar R$40,00 e me dei mal.

O óleo era inadequado para o meu veículo, gerou um problema que danificou várias peças do veículo e ainda tive que tirar todo o óleo comprado e colocar outro de melhor qualidade, perdendo mais de R$400,00.

4. Qual hábito financeiro você adquiriu e causou maior impacto na sua relação com dinheiro?

E: Sem dúvidas, o hábito de não contrair dívidas. Para mim, é muito claro que se eu ainda não tenho o dinheiro, não devo comprar. Sei que algumas pessoas acabam se endividando por terem que comprar itens emergenciais e essenciais, mas tem muita gente que se acostuma a fazer dívidas e a comprar coisas que não precisam em momentos que não têm dinheiro.

O desespero do “quero agora!” que acaba afundando as pessoas em dívidas desnecessárias. Viver em paz sem ter algumas coisas é melhor do que viver agoniado tendo algumas coisas.

Como digo nos vídeos do meu canal, em vez de comprar algo e ficar pagando, pagando, pagando em inúmeras prestações (com juros e sem descontos), prefiro sempre juntar o dinheiro e comprar tudo à vista, evitando contrair dívidas e garantindo bons descontos sobre o valor dos produtos.

5. Melhor conselho sobre finanças que você já ouviu/ou que gostaria que alguém tivesse te dito

E: Até pouco tempo atrás eu nunca tinha lido um livro sequer sobre finanças, então posso dizer que meus conhecimentos e disciplina com relação ao dinheiro foram adquiridos “com a vida”, mas algo que me ajudou bastante a viver melhor foi montar minha reserva de emergência.

Não lembro quando nem onde eu ouvi falar sobre isso pela primeira vez, mas sei que desde que montei minha reserva de emergência (quantia em dinheiro que deve ficar separada para ser gasta apenas em momentos de urgência e emergência), minha vida se tornou muito mais tranquila, pois eu e minha esposa não vivemos com medo de sermos pegos de surpresa com alguma conta ou cobrança inesperada.

Caso aconteça algum imprevisto, nossa reserva de emergência estará ali para que possamos pagar o que quer que seja sem nos descabelarmos. Viver sem essa preocupação é muito bom!

 

Viu só como aprender sobre finanças não precisa ser uma tarefa difícil ou chata? Com as pessoas certas ao seu lado, você pode mudar sua vida financeira e ter resultados surpreendentes!

Use a internet a seu favor na hora de colocar a sua vida financeira nos trilhos, as redes sociais podem ser ótimas aliadas da saúde das suas finanças. Você também pode acompanhar o Instagram e Facebook da QuiteJá para ter acesso a conteúdos sobre educação financeira!

Gostaria de ver a entrevista de alguém aqui? Conte para a gente nos comentários. 

QuiteJá

Uma plataforma que nasceu para resolver suas pendências financeiras de maneira segura e sem burocracia. Tem alguma dúvida? Converse com a gente nos comentários!

Posts Relacionados

Os melhores podcasts sobre finanças [+3 dicas bônus]
QuiteJá | 22/10/2021
Dívida Crediativos: como e onde negociar +3 vantagens
QuiteJá | 14/10/2021
Golpe do Pix: 6 tipos mais comuns + como se proteger
QuiteJá | 08/10/2021

Deixe o seu comentário!

Ir para o Topo